Geração de negócios por meio do turismo ecológico e de aventura

Macaé CVB quer resgatar setor gastronômico na instituição
3 de fevereiro de 2016
Justiça retira taxa do Ecad por uso de música em quarto de hotel
10 de fevereiro de 2016

Projeto do Sebrae/RJ integra Unidades de Conservação e MPEs. Com atuação em 11 municípios do estado do RJ, seis Unidades de Conservação (UCs) e a participação de cerca de 100 micro e pequenas empresas, o Sebrae/RJ desenvolve em parceria com ICMBio, o projeto Fomento do Turismo nas Unidades de Conservação e Cadeia do Entorno. Seu objetivo é criar um roteiro integrado do segmento de turismo, gerar oportunidades de negócios e renda para estes empreendimentos, por meio do turismo ecológico e de aventura.

As Unidades de Conservação (Parques Nacionais) são produtos e/ou atrativos que funcionam como grande equipamento turístico gerador de uma rede de serviços ao meio ambiente, apoiados no desenvolvimento de uma infraestrutura local e regional, cuja dinâmica pode promover o incremento dos fluxos de informação, produção, inovação e consumo, que, adequadamente geridos, permitem ao turismo atuar como vetor da economia dentro de parâmetros de sustentabilidade para o setor para a cadeia produtiva do turismo de seu entorno.

Eleitas pelo MMA-ICMBio e Sebrae, para participarem do projeto, as UCs e seus respectivos municípios são: Parque Nacional da Tijuca (Tijuca e adjacências – Barra, Recreio, São Conrado, Botafogo e Santa Teresa); Parque Nacional da Serra dos Órgãos – Parnaso (Teresópolis e Petrópolis); Parque Nacional da Serra da Bocaina (Paraty e Angra dos Reis); Parque Nacional da restinga de Jurubatiba (Macaé, Quissamã e Carapebus); Parque Nacional do Itatiaia (Resende e Itatiaia) e Resex – Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo.

Segundo o ranking global Best Countries (US News & World Report) o Brasil foi eleito o melhor destino de aventura do mundo. A conquista da primeira posição, entre os 60 países avaliados, engloba subitens como beleza cênica, clima agradável e amabilidade, entre outros. O Brasil ficou na frente de países como Itália (2º lugar), Espanha (3º), Tailândia (4º), Nova Zelândia (5º), Austrália (6º), Grécia (7º), Costa Rica (8º), Portugal (9º) e México (10º). No Rio de Janeiro, a travessia do Parnaso (Parque Nacional da Serra dos Órgãos) foi considerada uma das trilhas mais exigentes em território brasileiro e eleita uma das mais bonitas do Brasil.

Além de ser o primeiro no mundo para prática do turismo de aventura, o Brasil é considerado o segundo país do mundo com maior diversidade de aves, onde recebe cada vez mais estrangeiros interessados em sua observação (birdwatching). Em comum, as seis UCs (Unidades de Conservação) oferecem um roteiro integrado com realizam o passeio de ecoturismo para observar as aves em seu habitat natural, sem interferir no seu comportamento, ou no seu ambiente. Todas as empresas foram certificadas com o selo “Embaixadores das Unidades de Conservação”, no viés da sustentabilidade. Todas foram capacitadas em associativismo, gestão empresarial e ambiental.

Sobre o projeto

Para integrar os Parques Nacionais (Unidades de Conservação) com a cadeia produtiva do turismo do seu entorno, os Ministérios do Turismo e do Meio Ambiente – ICMBio, a Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura – ABETA e o Sebrae desenvolveram uma metodologia que impulsionou ações inovadoras para o desenvolvimento do turismo ecológico e de aventura, com impacto direto na criação de oportunidades de negócios, trabalho e renda, além de aumentar a competitividade das micro e pequenas empresas. A metodologia foi aplicada em cinco Parques Nacionais, projeto piloto em 2010/2012 e incluiu produção, processamento, armazenamento, associativismo, distribuição e comercialização em rede dos serviços de apoio ao turismo, atingindo diretamente o consumidor final.

Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba – Macaé RJ

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate